Como educar seus colaboradores para o Cloud Computing?
maio 9, 2017
5 lições que só as empresas que já adotaram a Cloud Computing podem ensinar
maio 29, 2017

Apostar em nuvem híbrida, pública ou compartilhada?

Cada vez mais, a computação em nuvem vem ganhando força dentro das empresas. Essa afirmação é tão verdadeira que o Gartner Group, um dos mais respeitados órgãos de pesquisa do mundo, prevê que, até 2020, serão gastos em torno de U$1 trilhão para mudanças do ambiente legado para nuvem.

Em outra pesquisa, o Gartner também afirma que as empresas estão deixando para trás o estágio de experimentação de Cloud Computing e procurando relacionamentos estratégicos com fornecedores de tecnologia em nuvem. A pesquisa ainda complementa que as organizações estão em busca parceiros com amplitude de visão e execução de um provedor de serviços em nuvem (CSP).

Isso significa que a mudança definitiva para nuvem é uma questão de tempo, e será rápida. Porém, uma das maiores dúvidas no momento da migração do legado é em relação ao modelo de oferta a ser escolhida. Hoje, existem, basicamente, 3 tipos de soluções em nuvem: híbrida, pública e privada.

Decidir em qual modelo apostar depende de alguns fatores, por isso, neste post, vamos detalhar as caracterizas de cada tipo de oferta, para você decidir qual a melhor opção para o seu negócio. Acompanhe.

Nuvem pública

Este é o modelo mais utilizado, principalmente no mercado de pequenas e médias empresas. De um modo geral, o conceito de nuvem pública se aplica aos provedores de serviços de cloud computing, que ficam responsáveis por todo o ambiente físico.

Isso significa que o fornecedor de serviços de nuvem tem o dever de prezar pela proteção, hospedagem, manutenção e gerenciamento dos dados de seus clientes, sendo remunerado apenas pelos recursos utilizados.

A nuvem pública tem esse nome, pois o serviço é compartilhado com outras empresas e usuários. Obviamente, cada empresa tem total controle sobre o que faz e registra na nuvem, mas não sobre as ações dos demais clientes do provedor.

Este modelo tem como principal benefício a redução de custos com serviços de TI e, portanto, e é uma excelente alternativa para empresas que possuem um orçamento restrito ou outras prioridades. Por outro lado, para aquelas que possuem um grande volume de dados confidenciais, essa pode não ser a melhor solução, pois uma parte importante da segurança das informações acaba ficando sob responsabilidade de terceiros.

Nuvem privada

Imagine todos os serviços ofertados por um provedor de cloud computing, porém, com a estrutura física dentro da empresa, sem ser compartilhada com terceiros.

Mas então, quais as vantagens de se criar uma estrutura de nuvem? Simples, as soluções atuais de cloud computing oferecem recursos essenciais para a gestão de TI, garantindo benefícios, como o aumento da produtividade, flexibilidade do ambiente, capacidade de escala, acesso remoto e muito mais mobilidade para os usuários.

Para grandes empresas, a criação de um ambiente de cloud computing facilita a integração entre as áreas e com as filiais. Neste modelo, a própria empresa fica responsável pela instalação e manutenção da infraestrutura e da plataforma que irá prover o sistema de Nuvem Privada.

Essa é uma opção mais segura, em especial para empresas que têm uma restrição maior em relação à segurança da informação. Porém, o investimento para implantação de uma nuvem privada pode ser um empecilho para negócios de pequeno e médio porte. Além disso, o custo de manutenção recorrente da nuvem privada tende a ser maior do que o de uso de uma nuvem pública.

Nuvem híbrida

Como o próprio nome sugere, a nuvem híbrida é uma alternativa muito viável que une uma estrutura de nuvem privada com a nuvem pública. Este modelo permite que a empresa mantenha em seu ambiente interno dados críticos, e leve para a nuvem pública serviços e recursos de baixa criticidade.

Outra vantagem da nuvem híbrida é que as atuais ferramentas de gestão de cloud computing permitem que ambos os ambientes sejam integrados de forma transparente, de forma que a empresa escale seus serviços de um local para o outro. Por exemplo, caso a organização possua um sistema instalado na nuvem privada, mas seus acessos sofram uma alta demanda temporária, ela pode expandir seus servidores para a nuvem pública de forma instantânea, e, depois, desligar os serviços quando tudo for normalizado.

A nuvem híbrida é uma ótima opção para atender às necessidades de redução de custos sem gerar maiores preocupação em relação à segurança de dados críticos. Outra vantagem é que ela permite a utilização de parte da estrutura atual do ambiente de TI.

E agora, em qual nuvem apostar?

Conhecendo melhor os diferentes modelos, é preciso fazer 3 perguntas são importantes:

  1. Qual seu orçamento disponível para investir em cloud computing?
  2. Qual a equipe disponível para manter o ambiente de cloud computing após a migração?
  3. Qual o nível de criticidade das informações a serem migradas para nuvem?

Respondendo a estas perguntas, fica fácil definir qual será a melhor aposta para sua empresa.

Quer saber mais sobre como migrar para cloud computing? Solicite um contato de nossos especialistas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *